Cromoterapia

Cromoterapia! (terapia pelas cores ).

Triste é ter de prestar um serviço de advogado, ainda que empiricamente, na defesa de tão nobre instrumento de socorro, como o é a Cromoterapia, por vezes desprezada!

Dito isso comecemos por uma constatação simples:

-Invariavelmente, muitos embates, assim como o não aproveitamento de recursos dignos e justos na casa espírita, é fruto de ações ortodoxas, intransigentes de pseudo espíritas, os quais negam a própria Doutrina que pensam defender, quando usam de atitudes impositivas e não expositivas como é regra nos postulados do Espiritismo; a titulo de pureza doutrinaria assassinam uma das bases sólidas apresentada nas obras básicas, qual seja: Doutrina progressista, portando pronta a abraçar os avanços que através de experimentação cientifica tenham provado seu valor como instrumentos de socorro ao próximo, atuando no alivio da dor e sofrimento humano, tudo dentro do terreno da “fé” didaticamente apresentada por Kardec, ou seja – “Fé inabalável, somente aquela que pode encarar frente a frente a razão em qualquer época da humanidade.

-Tal atitude mostra a falta de estudo das obras básicas, da falta de analise objetiva, portanto desprovida de pré-conceitos assim como humildade em se reconhecer que muito temos por crescer na compreensão das possibilidades e recursos dos Espíritos superiores.

-Aos que porventura ainda tenham duvidas quanto a isso, humildemente, peço que analisem a trajetória de grandes colaboradores da Doutrina Espirita como sejam: Allan Kardec, Leon Denis, Gabriel Delanne, Camille Flammarion, Ernesto Bozzano, Alexandre Aksakof, William Crookes entre outros, seres humanos inseridos nos mais variados campos do saber humano, todos respeitadíssimos pela sociedade, respeito este conquistado pelo caráter nobre e conduta irrepreensível, e que dedicaram boa parte de suas vidas à compreensão das verdades imorredouras trazidas pelos altiplanos da vida maior.

-Portanto, observemos claramente aquilo que nossos atos transformados em ações mecânicas, omissão quanto ao estudo das obras básicas e complementares e, por fim, o vício em condenar sem conhecer – como exemplificado por Kardec em “O Que É o Espiritismo” – tem impedido de reconhecer: O passe, a água fluidificada, os chakras entre outros conhecimentos, não são de criação da Doutrina Espírita, pré-existem a ela, o que não impediu de modo algum sua incorporação nas praticas cotidianas nas casas espíritas, e muito menos que estudos cada vez mais profundos e complexos sejam realizados ano após ano, comprovando que mal vislumbramos a ponta do iceberg das potencias do Espírito.

Dito isto, convido minhas irmãs e irmãos na “fé conhecimento Espírita” a usarmos de coerência, da razão, e assim não aceitarmos cegamente um apontamento, mesmo que proferido por respeitável figura nos meios Espíritas.

-Lembremo-nos que estamos todos inscritos no hospital escola que é a Terra (mundo de provas e expiações), portanto, nenhum de nós é portador da verdade absoluta, respeitemos sua opinião, mas tenhamos a nossa própria alicerçada, não em crendices ou dogmatismos, mas, sim, no estudo sistematizado das obras básicas e nas obras complementares como nos recomendam os Espíritos superiores, conquanto, “amai-vos uns aos outros e instruí-vos” casa plenamente com “conhecereis a verdade e ela vos libertará”.

-Para encerrar estes apontamentos se faz imperioso ressaltar que: O passe, a água fluidificada, a cromoterapia, os livros sérios (doutrinários), as escolas de médiuns, assim como tantos outros recursos disponibilizados nos trabalhos espíritas, foram, são, e sempre serão importantíssimos e potentes instrumentos coadjuvantes. Reafirmemos – coadjuvantes – do tratamento espiritual. Nenhum deles supre o recurso mor: “viver e conviver com nossos irmãos em Espírito – encarnados ou desencarnados – realizando o próprio burilamento que processa a reforma íntima a qual nos conduz ao amor que cura e liberta.”

-Oportunamente, em continuação, escreverei sobre o tema: ”A Cromoterapia no Centro Espírita.”

 

Luiz Carlos Custódio Vieira

(Membro da Associação Espírita São João e São Paulo)